Vigilância e Oração

Vigilância e Oração são ensinamentos patrísticos, constituem a experiência dos grandes padres népticos da Igreja e do deserto. A palavra "nepsis" vem de "nepho", que significa estar desperto, observar, manter sob vigilância. Todas essas coisas os pais resumem como uma atenção contínua a si mesmo, a tudo que se passa em nossa mente (nous) e coração.

Vigilância e Oração



A vigilância é descrita como o machado que estilhaça as grandes árvores, atingindo suas raízes. E quando a raiz é atingida, ela não surge novamente. Assim, também quando o homem está atento a si mesmo, ele zela pelo coração e pelos cinco sentidos da alma, tanto do corpo como do espiritual.

Quando o nous (mente) está desperto, quando está atento, quando vigia as especulações, os pensamentos, quando controla a imaginação, então todo o homem, corpo e alma, se mantém puro. E quando o homem se purifica pela vigilância constante, suas orações têm ousadia diante de Deus, cruzam o céu, vão além das estrelas, passam pelos céus e se aproximam do Divino Trono da Graça, onde as bênçãos de Deus são concedidas. E assim sendo, o homem que ora é enriquecido pela graça de Deus.

Os pais népticos nos dizem que um de nossos pensamentos pode subir ao céu e outro pode descer ao inferno. "Por nossos pensamentos somos melhorados ou contaminados." Em outras palavras, um simples pensamento que pode nos atacar desatentamente, pode nos poluir, pode nos dar prazer e é capaz de nos tornar dignos do inferno. Um pensamento celestial, um pensamento de abnegação, um pensamento corajoso, um pensamento de oração e a visão de Deus, nos torna dignos de nos aproximarmos do trono divino e de saborear as coisas celestiais. Pelos pensamentos, ou nos tornaremos impuros ou nos tornaremos melhores. O início dos pecados começa com os pensamentos.

Os pensamentos vêm dos cinco sentidos. Quando permitimos que o sentido da visão seja descontrolado e ele descuidadamente enxerga qualquer coisa, esse descuido se tornará infinito em imagens sujas e pecaminosas. Uma vez que essas imagens são colocadas na imaginação, depois elas gotejam o veneno do prazer pecaminoso dentro do coração do homem. Este prazer é o veneno pelo qual o coração é poluído e então se torna impuro e culpado diante dos olhos de Deus que não dormem.

Assim como o sentido da visão, também o é o tato, o paladar, a audição e o olfato. E assim os cinco sentidos criam imagens pecaminosas análogas, que tornam o homem impuro diante da face de Deus. Aqui reside toda a filosofia do espírito.

O ensinamento dos Padres Népticos a respeito da vigilância afeta radicalmente a purificação das paixões. Quando a enxada, quando o machado atinge a raiz, a árvore inteira cai, ela seca e está acabada. Assim também quando a vigilância, a auto-observação, toma lugar na vida do homem, uma árvore da paixão cai, ela murcha e, assim, com o tempo, o velho, o homem do pecado e da paixão, o Adão terreno é libertado e ele se torna "um novo ser." Por isso, o trabalho néptico nos liberta radicalmente do mal. Aqui, então, devemos dar atenção à nossa vida. Se quisermos nos purificar, devemos ter certeza de enriquecer nossa mente aplicando vigilância.

Uma parte da vigilância também é oração noética. A visão de Deus é outra parte da vigilância. A guerra espiritual também é outra parte. Todas essas partes, quando estão unidas no esforço do homem, com o tempo trazem santidade.

Abba Paphnoutios, um grande pai do deserto, estava passando um dia em seu caminho e lá ele viu dois homens cometendo algum pecado. Um pensamento surgiu em sua mente, e lhe dizia: "Veja que grande mal eles estão fazendo!" O olho os viu e imediatamente o pensamento irrompeu, tentando assim atacar a pureza da alma do Santo julgando o irmão ou também por ser tentado. Observando a si mesmo, no entanto, ele estava sendo vigilante, e imediatamente sua mente se iluminou e ele disse ao seu pensamento: "Eles estão pecando hoje, eu pecarei amanhã. Eles vão se arrepender, mas eu sei que sou um homem duro, impenitente, egoísta e, portanto, não vou me arrepender. Serei punido por ser pior do que esses dois. E o que devo fazer com esses pecadores descuidados, já que sou um pecador muito maior?" E refletindo dessa maneira, imediatamente derrubou tal pensamento, e não julgou os irmãos que estavam pecando.

Ele não foi muito longe e um anjo de Deus apareceu diante dele com um sangue gotejando de dois gumes; em outras palavras, uma faca que cortou dos dois lados e ele diz a ele:

"Paphnoutios, está vendo essa faca? Você vê que está pingando sangue?"

"Eu vejo Anjo de Deus."

"Com esta faca mato tirando as cabeças dos que julgam o próximo. E já que você não julgou, você não condenou aqueles que estavam de fato pecando - não imaginando ou adivinhando que eles eram pecadores, mas vendo-os pecar com seus próprios olhos - mas você se condenou mais, por isso seu nome também foi escrito no livro da vida eterna."

Seu nome foi escrito no livro da vida eterna, porque ele não julgou os pecadores, ele não condenou o pecado de seu irmão. Ele teria julgado se não tivesse vigilância, se não estivesse se auto-observando atentamente. Você vê que dano ele teria sofrido se tivesse sido desatento ao pensamento e permitido que trabalhasse dentro dele!

Todas as paixões têm suas próprias imagens, suas próprias fantasias e seus próprios prazeres. O assassinato tem uma imagem e outra o prazer, a gula tem outra e tantas outras paixões pecaminosas têm outras. Todos os prazeres são venenos que causam a morte da alma. Devemos ter como nosso ponto de vista que, se quisermos limpar "o interior do copo", o interior da alma, o nosso coração, este centro do homem, devemos nos esforçar para nos manter vigilantes a cada instante. Devemos cuidar para nos tornarmos melhores, ou seja, devemos estar atentos para estar sempre com a mão no gatilho. Com a primeira aparição do inimigo, devemos atirar. Assim que um pensamento maligno vier até nós, derrube-o imediatamente. Uma imagem suja surge, derrube-a imediatamente. Não devemos permitir que se torne mais vívida nas cores e na aparência, porque assim teremos dificuldades imediatas. Quando o mal é atingido pela raiz, é impossível brotar e crescer. Quando essa luta acontecer com diligência, limparemos nossa alma e, assim, seremos encontrados limpos diante de Deus.

A vigilância não faz nada menos do que limpar a mente e o coração de toda impureza. Por isso, com um pouco de trabalho ascético, a vigilância traz os maiores resultados espirituais. Quando nos esforçamos asceticamente mas não estamos atentos aos nossos pensamentos, não realizamos nada.

A Luz Incriada é a glória da Natureza Divina. Essa era a meta do ascetismo e da oração. Quando os santos receberam esta luz, eles se tornaram todos luz. E já que a luz inunda o nous (mente) e o coração, como eles poderiam saber menos do que os mistérios dos segredos que são conhecidos apenas pelos anjos? Por meio da vigilância, os pais alcançaram o auge das virtudes e das graças.

E nós, se estivermos vigilantes, se orarmos, mesmo se estivermos no mundo, e mesmo se não atingirmos estados semelhantes, não importa o que aconteça, atingiremos uma condição de pureza. Quando conseguimos, pela vigilância, não julgar nosso irmão, isso não é pouca coisa. Colocamos em prática o mandamento de Cristo, que é o seguinte: "Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o juízo com que julgardes, sereis julgados, e com a medida com que medirdes, isso será medido em vós." (Mateus 7:1-2)

É o Mandamento de Cristo e, portanto, colocamos em prática um mandamento divino. Quando não julgamos, não seremos julgados. Julguemos, e seremos julgados. O pecado é generalizado. Para onde quer que voltemos nossos olhos e nossa imaginação, reconhecemos os erros dos homens. Portanto, se formos desatentos, sem vigilância, sempre estaremos no erro de violação deste mandamento divino de não julgar o próximo.

Havia um monge em algum mosteiro. O inimigo (interior) o venceu por negligência. Ele não cumpria seu cânone, não ia à igreja, não fazia sua regra de oração e, portanto, os pais não o conheciam e o consideravam negligente. Chegou a hora da morte e os pais aproximaram-se dele para ver algo, que talvez Deus mostrasse, para que fossem beneficiados. Aproximando-se do monge negligente moribundo, os pais viram que ele estava muito alegre. Ficaram perplexos e pensaram: "Olhem, por que ele está tranquilo? A negligência que teve na vida não o preocupa? O que aconteceu com as dívidas acumuladas por causa da preguiça? Sua consciência não se rebela? Isso não o deixa preocupado? Ele não se desespera?" Ele continuou alegre. Eles o obrigaram a responder à sua pergunta:

"Perdoe-nos, irmão, vemos você fazendo isso. Nós sabemos e você sabe que viveu em negligência e preguiça nos deveres monásticos. Agora você está indo para o julgamento de Cristo, e você deve estar um pouco triste, preocupado, etc. Mas nós o vemos de outra forma, alegre, em paz, com esperança e questionamos; o que apóia essa sua condição?"

Ele respondeu e disse:

"Vocês estão certos, meus pais, é assim que as coisas são. Fui negligente e não fiz o que vocês fizeram, mas uma coisa guardei na minha vida: não julgar meu irmão. Eu li no Santo Evangelho, onde o Senhor diz que quem não julgar, não será julgado. Assim, tentei, pelo menos, não julgar. E espero na misericórdia de Deus que não serei julgado. Por isso, parto com fé em que Deus aplicará sua palavra."

Os pais investigaram entre si e disseram que, na verdade, o irmão era muito inteligente e obteve a salvação com maestria.

Se estivermos vigilantes, não iremos criticar. Pois com a ofensa de julgar, imediatamente a vigilância criará uma barreira e o pensamento de julgamento será impedido de continuar. Então acontecerá o que aconteceu com Abba Paphnutios. E assim escaparemos do pecado de julgar e da crítica da língua e nossos nomes serão escritos na vida eterna. Um homem que mantém a sua língua pura, interior e exterior, isto é, o pensamento interior e a língua, e o faz no conhecimento de Deus, esta é uma garantia de que está salvo.

Essa atenção espiritual contínua torna-se leve e, como luz, ilumina o caminho. E um caminho iluminado de vigilância é também um caminho para a confissão sagrada. A atenção o ilumina, o que incita o homem a acertar suas contas com Deus. E ele é guiado pela luz da vigilância a este grande mistério e ali deposita toda a dívida, toda a impureza dos pecados. Ele entra neste banho e sai totalmente limpo. E eu digo que devemos ter muita alegria em nossas almas quando formos considerados dignos de entrar neste banho.