A Meditação Secreta

Um irmão de nome João, vindo da região à beira-mar, dirigiu-se ao santo pai Filémon; abraçou seus pés e disse-lhe:

A Meditação Secreta



“O que devo fazer, pai, para ser salvo? As profundidades de meu coração se agitam e vagam ora aqui, ora acolá, para o que é proibido”.

Ele hesitou um pouco, depois lhe falou:

“Essa paixão é própria daqueles do mundo (cf. 1Cor 5,12; Col 4,5; 1Tes 4,12) e permanece porque ainda não tens um perfeito desejo de Deus. Ainda não te chegou o calor do desejo e do conhecimento de Deus”.

O irmão perguntou: O que devo fazer, pai?”.

Pai Filémon respondeu: “Vai, e por um pouco de tempo faz em teu coração uma meditação secreta, que possa purificar profundamente tudo isso”.

O irmão, que não era iniciado no que lhe era dito, falou ao ancião: “O que é a meditação secreta, pai?”.

Ele lhe disse: Vai, sê sóbrio no teu coração, e sobriamente diz na tua mente, com temor e tremor: 'Senhor Jesus Cristo, tende piedade de mim’; assim recomenda o beato Diádoco aos principiantes”.

O irmão foi embora e com o auxílio de Deus e as orações do pai; tendo-se colocado em paz, encheu-se de doçura por um pouco de tempo com tal meditação. Mas, como ela improvisadamente retirou-se dele e não podia cultivá-la com sobriedade e orar, retornou ao ancião e narrou-lhe o acontecido.

Ele lhe disse: “Eis: conheceste a indicação da paz interior e do esforço, e experimentaste a doçura que disso vem, portanto, guarda-a sempre em teu coração. Quer comas, quer bebas (1Cor 10,31), quer vás visitar outros, seja fora da cela, seja pela estrada, não deixe de dizer essa oração, de dizer os salmos, de meditar orações e salmos com uma mente sóbria e coração estável. Mas, também em estado de absoluta necessidade, não fique inerte teu coração no meditar secretamente e no orar. Assim, poderás conhecer as profundidades da divina Escritura e a força escondida nela, e poderás fazer o coração trabalhar incessantemente para cumprir o mandato apostólico que ordena: Orai sem cessar (1Tes 5,17).

Fica muito atento, portanto, e guarda teu coração para que não acolha pensamentos malvados ou, de qualquer modo, vãos e inúteis, mas sempre, quer durmas quer te levantes, quando comes, bebes ou encontres outros, o teu coração ora medita os salmos, ora reza em segredo, no pensamento: ‘Senhor Jesus Cristo, filho de Deus, tende piedade de mim’. E ainda, quando rezas os salmos, presta atenção para não dizer certas coisas com a boca e viajar com o pensamento em outras”.