O Controle dos Sentidos

Nossas reações aos eventos causam distúrbios dentro de nós. A prevenção desse distúrbio é importante na vida espiritual.

O Controle dos Sentidos



Na minha primeira visita ao Monte Athos, em 1982, notei que alguns monges, principalmente em locais públicos longe de seus mosteiros - no barco, no cais, na pequena cidade de Karyes, capital de sua república monástica - pareciam não olhar diretamente para alguém, não de uma maneira esquisita, mas porque estavam contidos em si mesmos, seus olhos não buscando contato, nem suas mentes espalhadas pelo mundo fora deles.

Mais tarde, quando conversava com o pai D. do monastério de Simonopetra sobre a Oração de Jesus, ele me sugeriu que eu desviasse os olhos e me afastasse do mundo quando pudesse. As duas coisas faziam parte da mesma disciplina.

Os rishis do Raja Yoga na Índia ensinam que a mente deve ser tratada como uma jovem noiva e mantida isolada de impressões corruptas do mundo exterior. Este princípio pode ser aplicado à ascese cristã.

Mas há mais do que isso. Virar os olhos para baixo nos lembra e nos ajuda a controlar e minimizar nossas reações aos eventos fora de nós. Essas reações consomem em energia mental e física, em tensões físicas e afins, as energias que devem ser transformadas pela oração em energias superiores. Nossa dificuldade é que nossas mentes, como são, podem ser facilmente provocadas a reagir a eventos fora de nós. Mas o que reage está dentro de nós.

Nossas reações aos eventos causam distúrbios dentro de nós. A prevenção desse distúrbio é importante na vida espiritual, e a observação mostra que ele pode de fato ser controlado de mais de uma maneira, embora, por várias razões, certos indivíduos e indivíduos em determinadas situações ou em certos estágios de suas vidas possam encontrar uma forma de regulamentação mais fácil ou mais possível que outra.

O Abençoado Calisto tinha mais a dizer sobre isso, usando a imagem da água viva. Na escala física, a água é o meio da vida, e a água viva era a imagem que o próprio Jesus havia usado para descrever um certo "recurso interior renovável" de energia que, ele ensinou em João 4:14-18, estava disponível para aqueles que aprendem a procurar um meio de vida mais do que puramente físico.

Se não barrarmos nossos sentidos corporais, a fonte de água que o Senhor prometeu à mulher de Samaria não jorrará em nós. Essa mulher, buscando água física, encontrou a água da vida fluindo dentro dela. Como a terra por natureza contém água que derrama logo que a saída é aberta, a terra do coração por natureza contém essa água espiritual que jorra assim que possível, como a luz que nosso antepassado Adão perdeu através da transgressão.

Como a água física flui continuamente de sua fonte, a água viva, jorrando da alma assim que é aberta, nunca deixa de fluir. Fluindo na alma do santo homem Inácio, fez com que ele dissesse: "Não há em mim fogo ardente, mas a água age e fala em mim".

A Different Christianity, Early Christian Esotericism and Modern Thought - Robin Amis