No Jardim do Coração

A vida de oração muitas vezes é comparada à de um jardineiro. O solo que ele lavra ele recebeu de Deus, assim como a semente e o calor do sol e a chuva e a força para crescer. Mas a obra está confiada a ele.

No Jardim do Coração
No Jardim do Coração



Se o lavrador deseja ter uma colheita abundante, deve trabalhar cedo e tarde, capinar e arejar, regar e borrifar, pois o cultivo é cercado por muitos perigos que ameaçam a colheita. Ele deve trabalhar sem cessar, estar constantemente vigilante, constantemente alerta, constantemente preparado; mas, mesmo assim, a colheita em última análise depende totalmente dos elementos, isto é, de Deus.

O jardim que nos comprometemos a cuidar é o campo do nosso próprio coração; a colheita é a vida eterna.

Eterna, porque é independente do tempo e do espaço e de outras circunstâncias externas: é a verdadeira vida da liberdade, a vida do amor e da misericórdia e da luz, que não tem limites, e por isso mesmo é eterna. É uma vida espiritual em um domínio espiritual: um estado de ser. Começa aqui e não tem fim, e nenhum poder terreno pode coagi-lo; e deve ser encontrado no coração humano.

Persiga a si mesmo, diz Santo Isaac, o Sírio, e seu inimigo será derrotado assim que você se aproximar. Faça as pazes com você mesmo, e o céu e a terra farão as pazes com você. Esforce-se para entrar em sua câmara mais interna e você verá a câmara do céu, pois elas são uma e a mesma, e ao entrar em uma você verá ambas. A escada para o reino está dentro de você, secreta em sua alma. Livre-se do fardo do pecado e você encontrará dentro de você o caminho ascendente que tornará possível a sua ascensão.

A câmara celestial de que o santo fala aqui é outro nome para a vida eterna. É também chamado de reino dos céus, reino de Deus ou, simplesmente, Cristo. Viver em Cristo é viver na vida eterna.

Caminho dos Ascetas, de Tito Colliander, Capítulo Três